top of page
44_edited.jpg

Rumo à Tela

Em 2021, com a permanência pandêmica e o contexto de isolamento social, a Asbrinc iniciou um trabalho voluntário na Casa de Acolhida do Catete, instituição de acolhimento para adolescentes com histórico de violação de direitos, denominado Rumo à Tela, projeto que oferece oficinas de audiovisual, incluindo apresentação de filmes com conteúdos de relevância social e oficinas de fotografia.

A cidade do Rio de Janeiro produz diariamente espaços de agravamento das situações de violações de direitos, principalmente em função da configuração desigual da cidade, com discrepâncias expressivas entre as famílias cariocas. A vivência nas áreas mais pauperizadas da cidade, acrescida do longo período de pandemia que o país ultrapassou, intensificaram a fome, a miséria e o aumento no índice de alcoolismo e violência nas famílias, o que contribuiu para a exposição dos adolescentes às diversas formas de agressão e de abuso, levando-os a evasão escolar, a busca da sobrevivência nas ruas, as múltiplas formas de exploração, violência e fragilização do seu processo de desenvolvimento.

Seja em condição de rua ou em ambiente familiar hostil e violador, a permanência em abrigos representa, em muitos casos, a modalidade de atendimento mais indicada pois permite acolhida segura, garantindo os cuidados básicos que toda adolescente precisa para se desenvolver, zelando pelo reestabelecimento de vínculos comunitários e familiares, embora essa modalidade de atendimento  precise de mais atenção e de políticas públicas associadas como  aquelas que se dirijam aos cuidados dos valores, da auto-estima, da fraternidade e do respeito aos direitos básicos. É nesse vácuo que nosso projeto incide.

O respaldo jurídico no atendimento a este público está amparado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA/1990), pela Política Nacional de Assistência Social (PNAS/2004) e pela Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais (2009), os quais normatizam as medidas protetivas, os cuidados e intervenções necessárias para prevenir e atender as famílias que vivenciam violações de direitos.

Na avaliação das atividades do Rumo à Tela, os dirigentes da instituição partilharam que ocorreram mudanças positivas no cotidiano das adolescentes, demonstradas através do interesse na temática cultural, que demandou a compra de livros e exibição de vídeos, como também na condução das situações cotidianas e nas manifestações sócioafetivas delas. Em dezembro de 2021 este trabalho recebeu o Certificado de Reconhecimento Social concedido pela Secretaria Municipal de Assistência Social através da Subsecretaria de Proteção Social Especial da cidade do Rio de Janeiro. 

Em 2022, graças ao financiamento da Congregação do Sagrado Coração de Jesus e a parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social, o projeto foi ampliado para atender cinco casas de acolhimento fornecendo oficinas de teatro, audiovisual e novas tecnologias. 

A Casa Viva Del Castilho foi a casa de acolhida que inaugurou a nova fase do projeto. Entre setembro e novembro o Rumo à Tela ministrou oficinas e auxiliou os adolescentes na produção do produto final definido por eles: a gravação da música ''Soldado'' (composição de um dos adolescentes da casa) e a produção do videoclipe da música. A produção foi exibida em evento de culminância na Nave do Conhecimento do Engenho de Dentro, e reuniu, além dos jovens da Casa Viva e a equipe de educadores, parte do time de servidores da secretaria de assistência social e adolescentes da Casa Taiguara. O resultado não poderia ter sido mais exitoso, com engajamento total dos adolescentes.

O projeto segue em andamento, a caminho da próxima casa à ser atendida.  

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
bottom of page